22 de fev de 2014

Em 22 de fevereiro, no Saara Argelino, um rato é colocado no nariz de um foguete francês. Mesmo preso ele morde uma trança de fios de condutores, e ele é expulso da missão. Em seu lugar Hector toma seu lugar na história.

hector-rato-espaco

Com eletrodos cirurgicamente implantados em seu cérebro, seus os impulsos neurológicos durante o vôo serão transmitidos aos cientistas franceses.

Após a descida pela primeira vez a ponta do foguete foi recuperada em perfeito estado. Todas as fases do voo funcionaram bem: o vôo balístico, a descida de pára-quedas, e o animal foi recuperado com vida. Foi a primeira vez que conseguimos transmitir telemetria atividade elétrica no cérebro de um animal durante um vôo do foguete, informou o CERMA (Centre d'Etudes et de Recherches de Médecine Aérospatiale).

hector-rato-espaco3

Hector conseguiu sobreviver ao espaço, mas não aos cientistas. Seis meses depois, o animal foi sacrificado para estudo histológico de posicionamentos de eletrodos.

Em 15 de Outubro de 1962, outro rato de nome Castor foi enviado, mas o foguete explodiu matando o animal. Três dias depois os franceses enviam o rato Pollux para o mesmo destino. A morte na explosão do foguete.

Slide4

Depois os franceses começaram a preparar gatos para serem lançados ao espaço.

Veja também: Félicette a primeira Gata lançada no Espaço

hector-rato-espaco2

22 de fev de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário