25 de fev de 2014

A Polícia Militar admitiu ontem que a alimentação dos cães vem sendo racionada desde a última quinta-feira. Vazado à imprensa, um documento interno da Diretoria de Apoio Logístico da PM determinou que o volume diário de ração fosse limitado a 400 gramas por animal “até que se normalize o abastecimento de ração no Canil Central,” sediado em Curitiba. A redução da cota de alimentação dos cachorros provocou a reação de entidades policiais e da Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba (Spac). 

Licitação
De acordo com nota da Polícia Militar, a licitação para compra de um novo lote de ração está em processo de “reanálise”, “consoante o contexto geral de austeridade fiscal do governo”. Para entidades policiais, porém, é impossível não relacionar o caso à falta de recursos que tem atingido as forças de segurança desde outubro do ano passado.
O caso é mais um episódio que aponta para a escassez de recursos das forças de segurança do Paraná. Além do Canil Central – que abriga 38 cães de busca e salvamento e farejadores de drogas –, a medida afeta outras 15 unidades policiais espalhadas pelo estado. Enquanto vigorar o racionamento, os animais ficarão “baixados”, ou seja, não participarão de operações. “Só deverão ser utilizados em casos excepcionais”, consta da orientação da PM.
A Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares (Amai) e a Associação dos Praças dos Paraná (Apra) prepararam ofícios que serão encaminhados ao Comando da PM, pedindo informações sobre a limitação. A Spac também cobrou respostas e acompanha o caso de perto.
Segundo a Apra apurou no Canil Central da PM, a cota de 400 gramas de ração diária corresponde, em média, à metade do que os cães consomem normalmente.
A professora de Medicina Veterinária da PUCPR, Ana Paula Sarraff, diz que, sem dados como peso e estado corpóreo de cada cachorro, é difícil prever o impacto que a dieta forçada pode provocar. Ainda assim, ela ressalta que não é “recomendável” manter o racionamento por um longo período. Em nota, a PM informou que a situação deve se normalizar no início de março, quando será licitado um novo estoque de ração, e acrescentou que “a medida de racionamento visa preservar a saúde dos semoventes, mediante orientação médico-veterinária”.

25 de fev de 2014
comments powered by Disqus

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário